Anestesia e Cirurgia Plástica. Conhecimento básico para futuros pacientes

Anestesia: Conhecimento básico para quem pretende passar por uma cirurgia plástica

Anestesia: Conhecimento básico para quem pretende passar por uma cirurgia plástica

A anestesia tem papel de grande relevância na cirurgia plástica, seja para garantir a saúde e bem-estar do paciente ou para proporcionar tranquilidade ao especialista que realizará o procedimento.

Este artigo serve unicamente como uma base para quem pretende passar por uma cirurgia plástica, para que possa ter um conhecimento introdutório sobre o assunto e, assim, enriquecer a conversa com o especialista de sua confiança.

Ao decidir-se por realizar uma cirurgia plástica, surgem algumas dúvidas: Como será o procedimento? Vou sentir alguma coisa? Qual o tipo de anestesia? A anestesia pode me trazer algum risco? É só local ou é geral? Vou me lembrar do procedimento?

Essa preocupação com relação à anestesia é muito comum para quem pretende passar por um procedimento cirúrgico, por isso, objetivando um melhor entendimento sobre o assunto, preparamos algumas dicas e conceitos básicos, no intuito de que você esteja bem informado e possa debater de maneira mais produtiva essa questão com seu cirurgião plástico, avaliando e entendendo as melhores opções para o seu caso.

Lembrando sempre que a anestesia tem papel de grande relevância na cirurgia plástica, seja para garantir a saúde e bem-estar do paciente ou para proporcionar tranquilidade ao especialista que realizará o procedimento.

Além das mais conhecidas, anestesias local e geral, falaremos ainda sobre a regional. A escolha de uma delas é sempre feita de acordo com as necessidades específicas do paciente, conforme o procedimento escolhido e avaliação conjunta do anestesiologista e cirurgião plástico.

QUAL A FUNÇÃO DA ANESTESIA NA CIRURGIA PLÁSTICA?

Antigamente não existia anestesia, nem dá para imaginar como eram as cirurgias. Mas,felizmente, hoje temos várias opções de anestesias, adequadas aos inúmeros procedimentos existentes.

Nesse sentido, a anestesia tem a função de bloquear temporariamente o recebimento de estímulos pelo cérebro, evitando que o paciente sinta dor ou se movimente, trazendo tranquilidade para ele e para o trabalho do profissional que realiza o procedimento.

Então, na cirurgia plástica, ao mesmo tempo em que a anestesia proporciona conforto e segurança ao paciente, também garante precisão e agilidade ao cirurgião, impedindo que o paciente se agite e traga alguma dificuldade ao procedimento.

Vale ainda destacar a importância do médico anestesista, que fará o controle e monitoramento da sedação e da anestesia em geral, prestando o devido atendimento quando necessário.

OS TIPOS DE ANESTESIAS, SUAS RECOMENDAÇÕES E CARACTERÍSTICAS NA CIRURGIA.

Anestesia Local:

Como próprio nome já nos faz imaginar, a anestesia local tem sua aplicação e efeito na área onde será realizado o procedimento cirúrgico. Ela é considerada o tipo mais comum de anestesia, bloqueando os receptores para dores em pequenas regiões do corpo, podendo ser via injeção (normalmente usa-se lidocaína) ou via medicamento tópico.

Alguns exemplos de procedimento que podem ser feitos com uso de anestesia local são remoção de pequenas lesões e correções na pele.

Como não induz o sono ou perda de consciência, não se faz necessária a presença do anestesista. Porém, por ser muito leve, não é indicada (isoladamente) para pacientes que tendem a ficar muito nervosos durante o procedimento, quando se pode administrar sedativo juntamente com a anestesia.

Anestesia local com sedação

Essa combinação de anestesia local e medicamentos aplicados na veia para o efeito sedativo faz com que o paciente, além de não sentir dor, também durma durante a cirurgia. Diferentemente da anestesia local isolada, quando em conjunto com a sedação, deve ser realizada e acompanhada por um médico anestesista, em centro cirúrgico hospitalar, já que por questões de segurança do paciente, o anestesista irá monitorar o sono e em caso de alguma complicação, os recursos se encontram facilmente disponíveis.

A sedação promove o conforto do paciente, que se acordado, mesmo não sentindo dor, ainda poderia observar o procedimento e sentir a movimentação dos instrumentos. Além de facilitar o trabalho do médico.

Essa combinação de anestesia local e sedação pode ser usada em grande parte das cirurgias plásticas, como por exemplo: otoplastia, rinoplastia, pequenas áreas de lipoaspiração, algumas cirurgias íntimas e de mamas, entre outras.

Anestesia Regional

É um tipo de “bloqueador de nervos”, já que o anestésico é injetado próximo a coluna vertebral e bloqueia os dois lados da região, interrompendo a sensação de dor e os movimentos de uma parte específica do corpo (como mão, braço ou perna) ou mesmo de uma região (como da cintura pra baixo). A anestesia regional, isoladamente, costuma ser utilizada em cirurgias mais simples, quando não se tem necessidade de que o paciente fique desacordado. Pode ainda ser classificada em dois tipos mais conhecidos: peridural, quando aplicada entre as vértebras e raquidiana, quando a aplicação se dá dentro do canal medular.

Para cirurgias um pouco mais complexas, como a lipoaspiração ou o implante de próteses de glúteos , essa técnica também pode ser realizada em conjunto com a sedação.

Anestesia Geral

Essa é, sem dúvidas, a técnica que mais causa apreensão aos pacientes. A anestesia geral é normalmente recomendada para cirurgias mais complexas, de grande porte, mais longas e que exigem o mínimo de movimento dos pacientes, como a abdominoplastia, cirurgias de faces como rinoplastia para proteger as vias aéreas ou em cirurgias combinadas a critério do anestesista. Com ela, o paciente fica inconsciente e incapaz de se mexer, já que age mais profundamente, onde outras não apresentariam efeito, bloqueando inclusive os movimentos musculares involuntários, o que é uma grande vantagem em cirurgias mais delicadas e que demandam grande precisão.

A anestesia geral é dos tipos de anestesia mais segura atualmente, com acompanhamento muito próximo e atento do anestesiologista, que fará a manutenção da oxigenação e ventilação do paciente, cuidando para que este permaneça confortável durante o procedimento, e auxiliando ainda um trabalho mais tranquilo e focado para o cirurgião.

ÚLTIMAS CONSIDERAÇÕES:

Cada paciente é único, então, frente às suas particularidades e tendo em vista o procedimento escolhido, depois de feita a consulta e os exames de saúde, o médico anestesista e o cirurgião plástico chegarão a um consenso sobre a melhor técnica a ser utilizada.

Acima de tudo, o planejamento cirúrgico deve seguir os diagnósticos prévios e toda cirurgia deve SEMPRE ser realizada em Centro Cirúrgico com todo suporte e monitoramento do paciente, preservando sua segurança, e também a dos profissionais técnicos habilitados.

Procure sempre por uma cirurgia segura. Verifique se o seu profissional escolhido é um Cirurgião capacitado e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP)

Quer tirar outras dúvidas ou conhecer nosso trabalho? Agende sua consulta!

Obrigado pela visita. Grande abraço!

Dr. Leonardo Fernandes⠀
CRM/PR: 30904 | RQE: 2732

Nos siga nas redes sociais
WhatsApp Dúvidas e Agendamento. Clique aqui!